O Audi S1 já é um carro fabuloso na sua definição de fábrica, mas com a devida preparação ficamos com um míssil de mais de 300 cv capaz de trucidar superdesportivos numa estrada sinuosa. Tudo pelo preço de um Golf GTI.

Desde 2014 foram vendidos 17 Audi S1 em Portugal, um número algo surpreendente para um carro do segmento B que custa mais de 42 000€ sem extras. Com o MMI de navegação plus e os bancos dianteiros desportivos o valor do cheque ascende a um valor que, em números redondos não fica longe dos 47 000€. Só para contextualizar, um VW Golf GTI não chega a custar mais 2000€. Mas a verdade é que, em matéria de prazer de condução e potencial de evolução, o Audi S1 representa uma proposta muito mais interessante: ou seja, com cerca de 7 000€ é possível tornar o Audi S1 num carro capaz de fazer os 0 a 100 km/h em menos de 5 segundos e trucidar um superdesportivo numa estrada sinuosa.

Para começar, o S1 é muito mais do que um Audi A1 com um motor muito potente. Na realidade, tanto a suspensão dianteira como a traseira multibraços possuem muito mais em comum com um Audi S3 do que, por exemplo, os primos Ibiza Cupra e Polo GTI. Depois, os engenheiros da Audi Sport afinaram o S1 para ser eficaz e divertido de conduzir, que é como que diz com uma frente muito incisiva e uma traseira que não tem medo de escorregar (sempre de forma progressiva e controlada), seja na inscrição seja em aceleração na saída das curvas, com esta última faceta a permitir (re)alinhar o carro na reta seguinte, bem como direcionar e alterar a atitude na segunda metade da curva, muito mais à custa do acelerador do que do volante; de facto, embora sem o grau de manobra do Focus RS, o S1 foi o primeiro carro com tração às quatro rodas tipo Haldex em que acelerar em curva induz uma útil sobreviragem em vez de castradora subviragem, e só isso já o torna muito especial. Por fim, o motor 2.0 TSI é a mesma versão com dupla injeção (direta e indireta) que nos Audi S3 e Seat Leon Cupra debita 300 cv, pelo que existe muita potência para explorar e potencial de chassis e tração para a aproveitar.

A receita

Mantendo as alterações de motor no âmbito do básico (admissão, reprogramação e escape) existem soluções de vários preparadores que garantem entre 310 e 330 cv de potência, e um binário entre 440 e os 490 Nm. Em concreto, entre outras, temos a ABT (que até tem um configurador com o descritivo de todas as transformações e um sumário da especificação final, como a Audi), a APR e a Revo a fornecerem este tipo de produtos, todas elas a renderem o máximo com gasolina 98 e a necessitarem de uma linha de escape específica a montante do tubo, com o respetivo catalisador desportivo, para potências acima de 320 cv. A reprogramação ronda os 700 € e a linha de escape entre duas a três vezes esse valor, o que, embora também produza benefícios bem palpáveis na resposta ao acelerador e na sonoridade (para além de permitir extrair o máximo de potência), a torna um complemento menos apelativo; por outro lado, entre a linha de escape e opcionais como os bancos em pele e a pintura especial não tenho dúvidas da minha escolha: o escape, claro!

Para tirar o máximo partido desta potência e tornar o comportamento ainda mais eficaz também existem várias soluções, desde as simples molas rebaixadas a sistemas completamente reguláveis. No nível de potência e prestações considerado, bem como tendo em conta o objetivo de humilhar superdesportivos, a minha escolha vai para as KW Clubsport de duas vias. Com um custo a rondar os 2300€ estas permitem regular a altura, camber e caster à frente e a força de amortecimento em 16 posições. Estas também possuem a característica de terem molas compostas, com uma de taragem mais mole para as pequenas deslocações (conforto e tração) e outra mais firme para o controlo e estabilidade em apoios fortes.

Por fim, os travões. Para uma potência e consistência sem compromissos nas mais rigorosas condições (travar mais tarde que um 911 não é fácil) o kit de “travões grandes” da PB é uma das opções disponíveis da o S1. Para as jantes de 18” polegadas temos discos dianteiros flutuantes (absorvem melhor a dilatação com o calor e mantêm o tato do pedal mais consistente e livre de vibrações) com 356 mm de diâmetro e 32 mm de espessura mordidos por pinças de oito êmbolos. Com um preço de 1700€, o kit inclui as tubagens de competição e as pastilhas, que podem ser de estrada, desportivas ou competição. 

No total, esta preparação tem um custo final entre 7000 a 8000€, incluindo montagem e (em alguns casos) portes, e transforma o brilhante Audi S1 numa espécie de mini WRC com matrícula.       

Links:

http://www.abt-configurator.com/en/Audi/S1/Komp._Sportback/8X0/20TFSI231

http://www.revotechnik.com/product-details/software/audi/s1/195/stage-1/

https://www.goapr.com/products/ecu_upgrade_20tsi_gen3_s1.html

http://pbbrakes.com/audi-s1-15-up-front-big-brake-kit.html

Assine Já

Edição nº 1460
Já nas bancas

Digital Papel

Top

Os mais recentes